SP: 3/05/17 – 11h45

Quando a Lei NÃO é pra todos

por Fernando Aires

GILMAR MENDES

Ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, e que também é o presidente do Tribunal Superior Eleitoral.

E-mail enviado ao ministro Gilmar Mendes, em 3/05/17.  No dia 2, por três votos a dois, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) mandou soltar o ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu. Condenado duas vezes na Operação Lava Jato, o petista estava preso em Curitiba desde agosto de 2015. Votaram pela liberdade os Ministros Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski. Votaram pela continuidade da prisão de Dirceu, os ministros Edson Fachin (relator da Lava Jato) e Celso de Mello. Gilmar Mendes desempatou votando a favor da liberdade de José Dirceu, sob a alegação de que já não há risco de cometimento de novos delitos e que, agora, a prisão só poderá ser efetivada se Dirceu for condenado na segunda instância.

Dentre outras decisões polêmicas que o ministro colecionou ao longo dos anos, que basta pesquisar na internet para conferir. E não foi o único do STF, lamentavelmente.

Caro ministro Gilmar Mendes:

Primeiramente, o senhor consegue dormir à noite? Sinto dizer, teria vergonha em ser seu parente e também parente de seus colegas no Supremo. Teria vergonha de ser ou mesmo já ter sido seu aluno, e vergonha maior em dizer que sou amigo seu.

Vocês têm a obrigação de servir e proteger a nação de LADRÕES, CORRUPTOS, iguais ao que o senhor soltou no dia 2 deste mês. E simplesmente não o fazem! Para que serve, afinal o Supremo Tribunal Federal, ministro? Para soltar em última instância quem lesa o país? É isso?

Este cidadão que o senhor julgou que deveria aguardar condenação em liberdade, recebia dinheiro de esquemas de corrupção ainda preso!!! O senhor sabia deste fato, ministro?

Aliás, não foi a primeira vez que o senhor cometeu tal atitude equivocada e se eu for me estender aqui, citando uma por uma, esse desabafo vai virar uma bíblia.

Respeito seus cabelos brancos, mas lembrando uma frase que meu sábio avô já dizia, “os anos não fazem sábios, fazem VELHOS”. Infelizmente, creio que seja o seu caso. TENHO VERGONHA de ter em meu país, um ministro da Justiça igual ao senhor e tantos outros que trabalham para proteger da Lei, quem merece a CADEIA.

O senhor tinha mais era que enaltecer o trabalho do procurador geral da República, dos investigadores, juízes e todos envolvidos com a Lava-Jato, no nobre intuito de varrer deste país toda sujeira que o senhor, sem o menor respeito com o povo brasileiro, deseja varrer para debaixo do tapete. Livrando a cara de gente que, com todo respeito, até gostaria de saber, lhe cobra algum sinal de amizade? Com todo respeito, tá, porque perguntar é um direito meu. E seu é o dever de responder, visto que serve à 200 milhões de brasileiros com a Constituição debaixo do braço. Se é que a tem por perto, né…

Sinceramente, não é este o Brasil que o povo quer ver, ministro! O povo quer ver Justiça! Onde está a Justiça? Onde que a Lei é para todos? Onde que vocês estão punindo quem rouba, quem lesa a pátria, quem quebra a economia do país com tantas propinas e esquemas de corrupção, se depois de presos, o senhor concede que sejam soltos? Sinceramente, o que seus pais pensariam de ti, se vissem isso hoje, ministro?

O senhor estudou tanto, com certeza passou por tantas dificuldades na vida, viu seus pais enfrentarem outras tantas para lhe formar e hoje, é assim que o senhor os representa pela vida a fora?

NÃO TENHO MEDO DE DAR O MEU NOME AO SENHOR. Sou jornalista, brasileiro e teria vergonha de ser seu parente, vergonha do seu trabalho e do que ele está fazendo com meu país.

 

Fernando Aires

É jornalista, publicitário, escritor e Membro Correspondente da ACLAC – Academia Cabista de Letras, Artes e Ciências de Arraial do Cabo – RJ.