SP: 12/10/17 – 9h

Presidente em exercício do Senado não vê “drama” em adiar análise de Aécio

Reportagem de Maria Carolina Marcello

Plenário do SenadoO disse que não haveria problema em adiar em um ou dois dias a análise das medidas cautelares impostas pela 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) ao senador Aécio Neves (PSDB-MG), caso o plenário da corte não conclua o julgamento do caso nesta quarta-feira.

O Supremo Tribunal Federal (STF) iniciou nesta quarta o julgamento de uma ação que discute se o Judiciário tem poderes para decretar eventuais medidas cautelares contra parlamentares, como o afastamento de suas atividades legislativas, sem a necessidade do aval das Casas Legislativas.

No início do mês, o Senado adiou votação do plenário em que seria analisada a decisão da 1ª Turma do Supremo que suspendeu o mandato de Aécio e determinou seu recolhimento noturno.

“Não vejo nenhum drama maior se nós tivermos que aguardar mais 48, 24 horas para a conclusão do julgamento”, disse Cunha Lima a jornalistas.

“É razoável que possamos aguardar agora que o julgamento já está iniciado. Até porque foi essa a decisão majoritária do plenário (do Senado), o plenário decidiu aguardar a manifestação do plenário do Supremo Tribunal Federal”, afirmou, referindo-se à votação da Casa no início do mês, quando a votação do caso de Aécio foi adiada para o dia 17 de outubro.

Questionado sobre os votos já proferidos até o momento no julgamento do STF, Cunha Lima evitou tecer comentários e disse acreditar que o pleno da Suprema Corte possa concluir sua análise até a próxima terça-feira.

“Na condição de presidente interino… vice-presidente, eu não sou comentarista de julgamento do Supremo, até porque o Supremo não é um campo de futebol que você possa dar pitaco”, disse.