SP: 1º/11/17 – 20h55

OLHAR SUBJACENTE

por Maria Teresa Freire

 olhar

A busca da presença única

A preencher o ambiente

Amplo, vazio, sonoro

Um encontro de olhos que

Não se manifestam

Preservam-se, omitem-se, encobrem-se

Em uma demonstração desconexa para as palavras

Complexa para os sentidos

Incoerente para os sentimentos

Ausente para o desejo

Separada, apartada, desintegrada da individualidade

Permaneço

Na ânsia de integrar

De participar, de conectar

Afastada, faço parte do cenário

Que me engloba

Mas não me satisfaz

Pois me encaixa, simplesmente

Na generalidade, sem qualidade, sem atratividade ou afinidade

Na indiferença de um olhar

Que vagueia pelo espaço

Sem se ater, sem perceber

Sem perscrutar, sem penetrar

O recôndito da observação

Que transfigura

O desejado, o ansiado

O não correspondido, o não compreendido

O olhar negligente

Indiferente, inconsistente

Que se repete, se reflete

Finalmente, se afasta.