SP: 1º/12/17 – 6h30

IMAGEM GRAVADA

 por Maria Teresa Freire

olhar_no_horizonte

Logo cedo, pela manhã

Repasso a vida

Como se fora uma película cinematográfica

Em preto e branco, momentos mais distantes

Que aos poucos se diluem

No afastamento da memória

Não há gloria nem inglória

Não há tristeza nem lamúria

Perdem-se na saudade

Que não machuca

Que não corrompe

O invólucro delicado

Do que foi guardado, resguardo, refugiado

Coloridos, momentos mais próximos

Vívidos, atuantes na mente que escolhe os melhores

Deixa-os dançar na memória presente

Como oferendas diárias

De vida usufruída

Sem desperdícios de cada sensação,

De cada opção, de cada frustração

Sem arrependimentos do escolhido,

Do convivido, do compartilhado

Que não se perpetua em uma só manhã,

Em um só dia, semana ou mês

Que se estende ao longo da vida

Tal e qual a linha inexorável do tempo

Que se esvai

Que se esquece

Que permanece

Que se vive

Sem âmbulos ou preâmbulos.