SP: 19/05/17 – 7h45

Governo vai para o enfrentamento e aposta na aprovação das reformas para superar crise política

por Lisandra Paraguassu

Presidente Michel TemerO governo decidiu partir para o enfrentamento para reagir à mais grave crise desde que o presidente Michel Temer assumiu há um ano, e tentar tocar as reformas, especialmente a da Previdência, em um esforço para demonstrar que ainda tem força, depois de o peemedebista anunciar que não tem qualquer intenção de renunciar ao mandato.

“O presidente jamais cogitou qualquer saída que não fosse o enfrentamento da crise”, disse uma fonte. “Vamos insistir nas reformas. Se algum partido achar que não deve votar, explicite seus motivos para a sociedade e arque com as consequências.”

A crise se instaurou depois da notícia de uma gravação na qual Temer teria dado aval ao empresário Joesley Batista, um dos controladores da JBS, para a compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. Mas a divulgação dos áudios no final da tarde melhorou o clima no Palácio do Planalto.

“Não existe nada de pagamento. É só sobre a relação entre eles”, argumentou uma fonte do Planalto.

Aprovar as reformas, na avaliação de auxiliares de Temer, é o caminho que o governo ainda tem para recuperar alguma confiança do mercado. Pela manhã, irritado, Temer afirmou que o que estava acontecendo parecia uma “conspiração”, e que o governo vinha passando por um bom momento e que não iria deixar isso atrapalhar.

DIFICULDADES À FRENTE

A tarefa, no entanto, não deve ser fácil. O governo já não tinha votos para aprovar a Previdência, e pode perder mais alguns agora. Antes mesmo da acusação contra Temer, alguns parlamentares mostravam pouca vontade de se associar a uma reforma impopular com um governo mais impopular ainda.