Esta coluna visa dar esclarecimentos às dúvidas e aos questionamentos que possam ocorrer com nossos leitores(as) na esfera da Sexualidade Humana, Ginecologia e  Obstetrícia. Gostaríamos que os leitores enviassem suas perguntas à redação deste Portal, por e-mail: contato@portalraj.com.br, ou para os e-mails cmp152@uol.com.br e elisagues@hotmail.com. As perguntas serão esclarecidas pelos médicos Dr. Francisco Carlos Anéllo – Ginecologista e Obstetra, Pós – Graduado em Sexualidade Humana, e Dra. Elisa Rodrigues – Psicóloga Clínica e Educadora Sexual, Psicoterapia de casais e individuais. A identidade das pessoas será mantida em sigilo.

Quando tenho relações sexuais com meu marido, costumo fingir o orgasmo. Dá para ele perceber?
R: As fases da resposta sexual humana – Desejo, excitação, orgasmo e satisfação, são fases em que o organismo reage de formas diferentes com o objetivo de alcançar o orgasmo e claro, a satisfação. Nem todas as mulheres sentem orgasmos, podem ficar muito excitadas e não chegam ao orgasmo, mas ficam satisfeitas. Outras têm mais de um orgasmo e a maioria têm um orgasmo só. São diferentes em todas às vezes. Costumo dizer que: tem orgasminhos, orgasmos e “orgasmão”. Quando a mulher fica excitada há uma mudança na respiração, pontos vermelhos no colo (“Sexual Flush”), na região genital, há uma reação vasocongestiva que leva o aumento na vagina (comprimento
e largura), entre outras alterações fisiológicas que a preparam para receber o pênis. Para isso, a mulher precisa de mais tempo, em comparação ao homem, para que o corpo possa se preparar melhor para a relação sexual. Por isso que ela precisa conhecer quais os seus pontos de prazer e tocá-los, para ficar excitada o suficiente. Imagine que as alterações são visíveis e o homem precisará conhecer, prestar atenção e assim, ele perceberá. Será
que não é melhor você conhecer mais o seu corpo, pedir para o seu marido tocá-lo nos pontos de prazer? Criar fantasias, conversar com ele sobre o assunto? Mas, caso você tenha dificuldades em chegar ao orgasmo ou acha que nunca teve um, se faz necessário procurar uma ajuda especializada.

O sexo diminuiu depois que meu bebê nasceu, meu marido não quer mais nada, está sempre cansado. Isso me parece muito frequente. “Mães” são menos sensuais?
R: Existe um grande problema psicológico nessa fase, onde o marido sente ciúmes do bebê, pois este tem bastante atenção da mãe. Também ocorre que muitos homens (conforme a cultura e criação) pensam na mulher como “mãe do seu filho” e não se permitem mais ter prazer com ela. É necessário que vocês procurem fazer uma psicoterapia sexual de casal, para desfazer esses mitos e para que vocês voltem a ter uma vida sexual prazerosa.

Todas as mulheres gozam da mesma forma?
R: Cada mulher é única, singular. E o orgasmo é único para cada uma. Certamente a anatomia não varia muito, os corpos femininos se parecem na sua estrutura. Tem clitóris, vagina, vulva, útero, ovários, seios e etc. Cabe a você, mulher, descobrir o que em seu corpo lhe dá mais prazer. Você deve percorrer e descobrir por si só o caminho que poderá levá-la ao gozo. E para a mesma mulher é possível encontrar várias maneiras de gozar, ou diversos caminhos para chegar à excitação. Para tal, é importante que você procure conhecer o que lhe dá prazer e compartilhar isso com o seu parceiro. Compartilhar também o que lhe causa desconforto ou desprazer. Enfim, o
conhecimento de si e o diálogo com o parceiro serão grandes aliados na busca do prazer e da satisfação.

Por que algumas mulheres que ficam excitadas, inclusive com lubrificação vaginal, e não conseguem chegar ao orgasmo?
R: A dificuldade em chegar ao orgasmo, quase sempre tem a ver com fatores
emocionais, tais como repressão, culpa ou primeiras experiências insatisfatórias. Também há o desconhecimento sobre o próprio corpo e as regiões de maior excitação (zonas erógenas), o que colabora com a dificuldade de se chegar ao orgasmo. O orgasmo se alcança com a plena entrega ao prazer. Para isso é necessário estar livre de sentimentos de culpa ou repressão. Agora, é importante você perceber que o orgasmo é um ápice, o final de um caminhar que é o prazer sexual. Assim, é possível ter muito prazer, sem necessariamente chegar ao orgasmo. Portanto, vivencie o caminho, se o destino for o
orgasmo, ótimo. Se não for, você pode ter experimentado muito prazer, e isso é para ser valorizado e apreciado.

A dupla penetração: anal e vaginal ao mesmo tempo, trazem algum risco físico para a mulher?
R: Desde que as coisas sejam conduzidas com certo cuidado, não. Esse tipo de
penetração não deve ser brusco. Os parceiros precisam estar em certa sintonia e buscar posições adequadas para os três. NÃO ESQUEÇA DA CAMISINHA

Existe algum remédio para despertar o desejo da mulher?
R: Não, não há nenhum medicamento para aumentar o desejo sexual da mulher. O desejo sexual está vinculado a aspectos emocionais e psicológicos. Ele é indispensável para que se alcance o prazer sexual. A falta ou desequilíbrio hormonal pode interferir no desejo, que nesse caso, deverá ser tratado pelo médico. Mas, uma vez que as taxas hormonais estejam equilibradas, você estará pronta do ponto de vista fisiológico para sentir desejo e apenas fatores psicológicos poderão interferir.

Meu marido me faz chegar ao orgasmo umas cinqüenta vezes quando a noite é daquelas. Isso é normal?
R: Se ocorre para você e você gosta, então é normal.

Todos os órgãos sexuais femininos são do mesmo tamanho?
R: Os órgãos sexuais externos das mulheres (vulvas) são muito variáveis em relação ao aspecto e ao tamanho. Pode-se dizer que dificilmente encontraremos uma vulva igual à outra.